LATAM inicia voos regulares com Boeing 787 Dreamliner

Guilherme Dotto
Últimos posts por Guilherme Dotto (exibir todos)

No último sábado (23), a LATAM Brasil, primeira companhia aérea a operar voos com o Boeing 787-9 Dreamliner no país, realizou o voo inaugural comercial da aeronave em rota doméstica entre São Paulo, Aeroporto de Guarulhos (GRU) e Manaus (MAO).

A decolagem do bimotor de matrícula PS-LAA aconteceu às 07:55 e a aterrissagem às 10:14 (horário local). Já o primeiro voo comercial internacional está previsto para a segunda quinzena de dezembro na rota São Paulo/Guarulhos – Madri.

Continua após a publicidade

A chegada de quatro aeronaves B787-9 provenientes da frota do Grupo LATAM no Chile é mais uma forte aposta da LATAM Brasil na recuperação do setor aéreo brasileiro e reforça a estratégia de eficiência da companhia.

“A ampliação da nossa frota permite aumentar ainda mais a competitividade da companhia no setor de forma sustentável e eficiente. Reassumimos recentemente a liderança do mercado doméstico brasileiro e estamos cada vez mais confiantes na retomada das viagens internacionais. Nossa missão é sempre oferecer a melhor experiência ao passageiro.”

destaca Jerome Cadier, CEO da LATAM Brasil.

Após cumprir com êxito várias etapas de avaliação operacional, a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) chancelou a companhia na quarta-feira (20) para operar o B787-9 em rotas nacionais e internacionais. Além dos voos de certificação, a LATAM Brasil também realizou os exercícios obrigatórios como parte do processo de validação exigido pelo órgão regulador.

Os testes com a aeronave e tripulação foram feitos no Centro de Manutenção de Linha (CML) da LATAM, em Guarulhos, em setembro, sob supervisão da ANAC. No exercício “Demonstração Parcial de Evacuação de Emergência” (DPEE), a ANAC estipula um tempo de 15 segundos para que os tripulantes abram 50% das portas da aeronave e suas respectivas escorregadeiras toquem o solo, simulando uma evacuação de emergência. 

Já na “Demonstração de Amerrissagem” (DEA), não há tempo definido para concluir o exercício, entretanto, a tripulação deve montar com a maior agilidade possível um bote (usando uma das escorregadeiras infladas no exercício anterior) para simular uma emergência com pouso na água. Em ambos os exercícios, a companhia cumpriu com todas as exigências com sucesso.

Compartilhe nas redes sociais

Acesse o Fórum Contato Radar para mais informações sobre a aviação no Brasil e no mundo clicando aqui!

Deixe um comentário