A curta e agitada operação da Webjet em Ribeirão Preto

Guilherme Dotto
Últimos posts por Guilherme Dotto (exibir todos)
Foto: Titolivio de Oliveira ©

Em Julho de 2005, decolou o primeiro voo da empresa tendo como proposta “pague menos e voe simples”. Era o início da Webjet, que começava suas operações com um Boeing 737-300 e voos para São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Porto Alegre.

Durante o seu primeiro ano no ar, a empresa enfrentou dificuldades em relação à ocupação dos voos e chegou a cancelar as operações por um período. No final do ano de 2006 recebeu sua segunda aeronave e em 2007 seguiu expandindo. O ano de 2008 foi concluído com 11 aeronaves na frota, todas do modelo Boeing 737-300 e com um total de quinze destinos no Brasil.

Continua após a publicidade

Em ritmo de crescimento, agora, bem acelerado e agressivo, em Janeiro de 2010 a empresa estava com mais de 6,5% de participação no mercado brasileiro. Em 2011 a frota era composta por 24 Boeings 737-300 com capacidade para 148 passageiros.

  • Anúncio e início dos voos:

A intenção da Webjet de operar em Ribeirão Preto foi anunciada em Setembro de 2010, momento em que a empresa estava em constante crescimento. Os voos foram aprovados pela ANAC. No dia 10 de Dezembro de 2010 a companhia estreou no mercado de RAO, de forma bem agressiva e abrindo o leque de destinos no Aeroporto Leite Lopes, com 11 voos diários para oito cidades.

Os voos a partir de Ribeirão eram para São Paulo (Guarulhos), Rio de Janeiro (Galeão), Brasília, Salvador, Porto Alegre, Navegantes, Curitiba e Belo Horizonte. A chegada da Webjet no Aeroporto Leite Lopes, com alguns voos chegando a custar pouco mais de 9 reais, agitou o mercado e as concorrentes logo começaram a abaixar seus preços.

O primeiro mês da empresa em Ribeirão Preto, trouxe um aumento na movimentação do aeroporto e ao mesmo tempo transtornos, uma vez que a Webjet vinha tendo voos atrasados e cancelados. Mas esses problemas não eram somente por parte da empresa, a infraestrutura do Aeroporto Leite Lopes vinha mostrando certa dificuldade de comportar todos estes voos.

Inclusive em Janeiro de 2011, veio a ter restrições da ANAC para pousos e decolagens na chuva, que de certa forma afetou as operações das empresas TAM (atual LATAM Brasil), Pantanal, TRIP, Passaredo e Webjet em Ribeirão Preto.

O ano de 2011 já começou com notícias de redução de voos. Pouco mais de um mês voando para RAO, a Webjet anunciou que a partir do dia 18/02 ela suspenderia uma frequência do voo entre Ribeirão Preto e Guarulhos. 

Efeito Webjet: o mês de Janeiro de 2011 fechou em alta, cerca de um aumento de 124% de passageiros a mais, quando comparado com Janeiro de 2010. O volume de cargas e aeronaves também cresceram.

Em fevereiro do mesmo ano, a empresa já havia reduzido temporariamente para oito voos diários. E anunciou mudanças na malha que entrariam em vigor no mês Maio de 2011. 

O mês de Março foi marcado pelo cancelamento da rota entre Ribeirão Preto e Belo Horizonte, que não respondeu a demanda desejada pela Webjet. Naquele mês, existiam quatro frequências diárias para BH, operadas pela Passaredo e TRIP que tinham Pampulha como destino e Confins pela empresa, o que tornava os voos da empresa menos atrativos em relação à concorrência.

Um dos motivos seria a distância do aeroporto de Confins do centro de Belo Horizonte, onde o aeroporto da Pampulha está localizado. Com esse cancelamento os voos da empresa em Ribeirão Preto já estavam em sete. 

Foto: João Henrique ©


Parecendo não acertar muito em algumas rotas a partir de Ribeirão Preto, a Webjet voltou a realizar cortes e suspendeu os voos para Navegantes, Guarulhos e Porto Alegre. Em contrapartida, os voos para Salvador, Brasília e Rio de Janeiro (Galeão) vinham apresentando um bom desempenho. Em abril, a empresa também anunciou um novo voo ligando Ribeirão Preto até o Rio de Janeiro, mas para o Aeroporto Santos Dumont. 

Com apenas seis meses de operações em Ribeirão Preto em Maio de 2011, a empresa estava apenas com cinco voos, menos da metade de quando ela iniciou suas operações na cidade, que eram onze voos diários. E ainda em Maio ela cortou mais frequências, dessa vez para Salvador e para Curitiba. 


Mesmo com os números de voos caindo, o aeroporto Leite Lopes estava mantendo o número de passageiros na casa dos 100.000 por mês (atualmente em 2019 esse número está na casa dos 70.000) e de Janeiro até Junho de 2011, cerca de 578 mil passageiros haviam passado por RAO, contra 297 mil do mesmo período em 2010. 

Em Agosto o número de passageiros começou a cair e foi para a casa dos 85 mil. Nesse mesmo mês, a Webjet fez novos reajustes na malha e estava apenas com dois voos em RAO, um para o Rio de Janeiro e outro para Brasília.

A partir daí, a empresa foi arrastando suas operações em RAO, que agora já não tinham o mesmo impacto que causaram no início e em Setembro de 2012, próxima de completar dois anos de operações em Ribeirão Preto, a empresa deixou de operar na cidade. Dois meses depois, como já mencionado no início matéria, a GOL suspendeu as operações da Webjet.

Mas o desfecho da empresa veio rápido, em Julho de 2011, a GOL anunciou a intenção de compra da Webjet e foi o que realmente ocorreu. A Webjet chegou a voar alguns Boeing 737-800s, que haviam operado anteriormente nas cores da GOL, como plano de renovação da frota da Webjet, mas em novembro de 2012, a GOL anunciou o fim da “verdinha”.

Muito obrigado Contato Radar! Tripulação, preparar para o pouso!

Compartilhe nas redes sociais

Acesse o Fórum Contato Radar para mais informações sobre a aviação no Brasil e no mundo clicando aqui!

Deixe um comentário