Ethiopian Airlines é proibida de voar para a China até 2021

A Ethiopian Airlines recebeu um aumento em sua punição que resultaram na proibição de voos entre Addis Ababa (ADD) e o Aeroporto de Pudong (PVG), em Xangai. A medida se deu após passageiros da companhia testarem positivo para a COVID-19 após a chegada na China.

Inicialmente, a última proibição dos voos seria de cinco semanas, conforme noticiado pelo Contato Radar no último dia 22 de outubro (clique aqui para saber mais). Apesar disso, seguindo a decisão de uma autoridade chinesa, com a intenção de proibir a entrada de viajantes infectados, a Ethiopian Airlines não poderá operar a rota até 1º de janeiro de 2021.

Continua após a publicidade

A companhia africana recebeu sua primeira suspensão temporária em agosto, depois que seis passageiros testaram positivo. No entanto, a proibição durou apenas uma semana. 

A partir de hoje, 4, a Administração de Aviação Civil chinesa (CAAC) proibiu os voos da empresa na rota Addis Abeba-Xangai, conforme informado por uma mídia local da China. As autoridades do país estabeleceram algumas regras de suspensão caso as companhias transportem pessoas contaminadas.

Com isso, a extensão da proibição se dá por conta da companhia aérea ter sido encontrada várias vezes transportando passageiros infectados a bordo. Sendo assim, a medida segue a nova política de contenção para evitar a disseminação de mais infectados no país. Recentemente, a Emirates foi proibida de voar entre entre Dubai e Guangzhou, pelo mesmo motivo.

Para mais notícias sobre aviação acesse o Contato Radar (CLICANDO AQUI)

Compartilhe nas redes sociais

Acesse o Fórum Contato Radar para mais informações sobre a aviação no Brasil e no mundo clicando aqui!

Deixe uma resposta