KLM completa o 100º voo com suprimentos médicos para pandemia em aviões de passageiros

Desde o início da pandemia, as companhias aéreas tiveram que se adequarem ao “novo normal” temporário. Com a diminuição de voos que chegaram a mais de 95% em alguns casos, a solução encontrada foi transportar suprimentos médicos para pandemia nos aviões de passageiros. Assim, todas as caixas são acomodadas nos assentos com proteção.

No Brasil, as companhias LATAM e Azul, foram as responsáveis por conectar com o principal país fornecedor, a China. Foram dezenas de voos ligando a China com o Brasil para buscar equipamentos de proteção individuais, como máscaras faciais, e também de testes rápidos. O Contato Radar teve a oportunidade de acompanhar um dos voos da LATAM, clique aqui e confira.

Continua após a publicidade

A companhia holandesa KLM, completou na última quinta-feira (15) o seu 100º voo nesse padrão. Para o voo, foi utilizado um de seus Boeing 747-400, que não voará mais com passageiros. Pieter Elbers, CEO da KLM, esteve a bordo do voo, que ligou Xangai com Amsterdã.

“A crise que afeta a nós e ao setor de aviação é incomparável e a KLM está enfrentando desafios enormes. Na minha opinião, o conceito Cargo-in-Cabin simboliza a resiliência, criatividade e flexibilidade dos nossos colaboradores, que trabalham dia após dia para manter o nosso modelo de negócio operacional. Quando tivemos dezenas de aeronaves estacionadas por semanas a fio e, como resultado, menos capacidade, nossa divisão de Cargas fez de tudo para atender à crescente demanda por suprimentos médicos. Dezenas de milhões de produtos foram transportados com segurança e eficiência em assentos de passageiros nos últimos meses. Gostaria de agradecer a todos os funcionários da KLM que trabalharam tanto para tornar isso possível”, disse o executivo.

Semanalmente, cerca de sete voos Cargo-in-Cabin partem para Xangai. Mais de 90% da carga da aeronave consiste em máscaras faciais. Além disso, outros suprimentos médicos, incluindo luvas cirúrgicas e aventais, são levados de volta. No total, a KLM transportou até agora mais de 80 mil caixas e mais de 85 milhões de máscaras faciais. Além de sua contribuição humanitária, aproveitar o conceito Cargo-in-Cabin durante um período de crise tem sido a maneira perfeita de gerar renda extra. Também serve para ilustrar o quão inovadora e flexível a KLM Cargo tem sido durante esta crise sem precedentes.


Compartilhe nas redes sociais

Acesse o Fórum Contato Radar para mais informações sobre a aviação no Brasil e no mundo clicando aqui!

Deixe uma resposta