De volta ao passado, voamos no turboélice da Azul na Ponte Aérea

A satisfação de poder reviver os anos dourados na Ponte Aérea voando em um turboélice foi contagiante. Durante o embarque, muitos passageiros relembraram os voos realizados com os charmosos Electra da VARIG, que foram por vários anos a aeronave símbolo nas ligações entre Congonhas (CGH) e Santos Dumont (SDU).

Ao embarcar, fomos recepcionados pelos comissários Romano e Ketty. No meu assento 3A, recebi um sachê de álcool em gel e fui orientado e permanecer com máscara de proteção facial durante todo o voo. O primeiro voo da companhia na Ponte Aérea com o ATR foi realizado sob os comandos do comandante Guilherme Lima e o primeiro-oficial Thiago Biesdort

Continua após a publicidade

O voo 4802 da Azul Linhas Aéreas foi o primeiro na história da companhia a ser realizado com o ATR 72-600 na Ponte Aérea.

Chegada no Rio de Janeiro

Durante o speech, o comandante destacou a volta dos turboélices na Ponte Aérea, com um breve relato contou um pouco da trajetória do Electra que foi aeronave símbolo da rota durante muitos anos.

“A melhor companhia aérea do mundo, tem a satisfação de realizar o primeiro voo após 28 anos com uma aeronave turboélice na Ponte Aérea. Entre os anos de 1975 até 1992, o Electra operava 66 voos diários ligando o Rio de Janeiro à São Paulo, e hoje reiniciamos este voo, por conta das obras de melhorias na pista do aeroporto de Congonhas”, afirmou o comandante Guilherme Lima.


Nosso voo até o Rio de Janeiro foi tranquilo com céu aberto durante todo o trecho. Na descida para capital carioca, podemos apreciar da janela, as belas praias e cartões postais da cidade maravilhosa. Na final para pouso, sobrevoamos a cidade de Niterói antes de tocar a cabeceira 20 do Santos Dumont.

Os comandantes nos proporcionaram um excelente pouso. Infelizmente não tivemos o famoso batismo por jatos d’água (Water Salute), por se tratar de operações temporários por conta das obras da pista principal de Congonhas.

Ao desembarcar, foram oferecidos snacks da companhia para os passageiros. Por determinação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), durante os voos, as companhias aéreas não estão oferecendo serviços de bordo. A previsão é que os ATR 72-600 da Azul operem no trecho até o dia 5 de setembro, na reabertura das operações na pista principal de Congonhas.

Compartilhe nas redes sociais

Acesse o Fórum Contato Radar para mais informações sobre a aviação no Brasil e no mundo clicando aqui!

Deixe uma resposta