Após demitir 2,7 mil tripulantes, LATAM poderá reduzir ainda mais o efetivo

A subsidiária brasileira do Grupo Latam Airlines realizou nas últimas semanas, a demissão de mais de 2,7 mil tripulantes, dentre comandantes, co-pilotos e comissários de bordo. Após rejeição da proposta de acordo coletivo de trabalho (ACT), 2758 tripulantes foram desligados do quadro de funcionários da empresa.

A companhia contava com cerca de 7 mi tripulantes e o corte feito correspondeu a 39% do efetivo da empresa. De acordo com o Sindicado Nacional dos Aeronautas, a proposta feita pela companhia foi rejeitada por quase 89% dos tripulantes em votação.

O sindicato propôs redução de salário e jornada por 18 meses, conforme os acordos fechados com a Azul e GOL, porém, a LATAM pretendia fechar um acordo temporário e, após os 18 meses, uma redução permanente de salários.

De acordo com a LATAM, a redução de 2758 tripulantes não foi suficiente pois refletia o excesso de quadro apenas até o mês de junho deste ano. Até o mês de dezembro, o número de tripulantes ativos será de 1.986 comissários e 696 pilotos, devido a ausência de recuperação da demanda e menor receita.

Entretanto, a empresa afirma ter a necessidade de adequação rápida, a fim de preservar suas operações futuras e os postos de trabalho excedentes. Uma das propostas feitas é a alteração no atual modelo de remuneração, permitindo um menor custo de folha de pagamento.

A companhia garante que caso haja nova adequação no quadro de tripulantes, todos os critérios da convenção coletiva de trabalho (CCT) acordados na última mediação serão respeitados.

Compartilhe nas redes sociais

Acesse o Fórum Contato Radar para mais informações sobre a aviação no Brasil e no mundo clicando aqui!

Deixe uma resposta