Flybondi entra com pedido para abrir subsidiária no Peru

A primeira companhia aérea de ultra baixo custo da Argentina, Flybondi, entrou com pedido junto à autoridade aeronáutica peruana para se qualificar como operador aéreo naquele país. Diante do complexo cenário do setor na América Latina abalada pela ameaça de recessão por conta da pandemia, a companhia começa a dar pistas claras de qual será sua estratégia comercial para se manter ativa.

Os serviços prestados pela companhia aérea na Argentina antes da pandemia, encontravam um certo ponto de equilíbrio nos voos regionais. Levando em consideração que todas as companhias aéreas do país estavam sendo prejudicadas pela crise local e pela abertura indiscriminada do mercado. 

Continua após a publicidade

Antes do fechamento das fronteiras, a companhia estava realizando voos internacionais a partir de Buenos Aires (EPA) para Assunção (ASU) no Paraguai, Florianópolis (FLN), Rio de Janeiro (GIG) e Sao Paulo (GRU) no Brasil, além de operar voos durante o verão no Uruguai. Na semana passada, a Flybondi, entrou com pedido para operar sete voos semanais para Lima (LIM) no Peru. No entanto a empresa não apresentou detalhes do pedido e das operações que deseja realizar em território peruano. 

Provavelmente a estratégia da Flybondi será assumir os voos regionais que deixaram de ser operados pela subsidiária da Avianca no Peru. A Avianca Holdings, encerrou as atividades da divisão peruana devido a reestruturação gerada por conta do pedido de recuperação judicial nos Estados Unidos. Sendo ela, uma das mais prejudicadas por conta da crise, junto com a LATAM e AeroMexico que também entraram com o mesmo pedido nos EUA.

Na Argentina, a Flybondi chegou a um importante acordo com a Associação Sindical dos Trabalhadores para garantir a sustentabilidade da empresa. Foram tomadas algumas medidas com cortes de salários para os funcionários que não estão trabalhando em troca de mantê-los empregados.

Outra medida tomada pela empresa para enfrentamento da atual crise, foi a devolução de três dos seus Boeing 737-800 para contenção de despesas. Porém, a companhia espera recuperá-los até o final do ano.

Compartilhe nas redes sociais

Acesse o Fórum Contato Radar para mais informações sobre a aviação no Brasil e no mundo clicando aqui!

Deixe uma resposta