Recuperação judicial não faz parte das alternativas para a GOL, segundo Kakinoff

Em entrevista na live do canal Teaching for Free na data de ontem (16), o CEO da GOL, Paulo Kakinoff foi questionado sobre o momento atual da companhia e também sobre as concorrentes nacionais. A preocupação evidente ainda nas primeiras perguntas, era sobre a parceria firmada entre Azul e LATAM Brasil, assim como sua possível fusão.

Para o executivo, o movimento das duas principais concorrentes é visto como positivo para o setor no Brasil. Sobre a possível fusão, na sua visão, será mais fácil observar esse comportamento sendo realizado no mundo todo em companhias em situações mais delicadas financeiramente, do que uma aérea adquirindo outra.

Gabriel Toledano do canal Aerocast também participou da live e pôde questioná-lo sobre o movimento do Grupo LATAM ao solicitar acesso ao Chapter 11 nos Estados Unidos, se era uma das opções para a GOL. Esse processo é semelhante a de recuperação judicial no Brasil. Para Kakinoff, a companhia afasta essa possibilidade pelo êxito nas negociações que estão tendo com os colaboradores e stakeholders, principalmente os lessores das aeronaves. Segundo ele, essa foi a alternativa prioritária que a GOL buscou para o enfrentamento da crise sem prejudicar nenhum parceiro envolvido.

“É uma situação (crise) tão indefinida e que tudo pode acontecer, não se pode descartar nenhuma possibilidade. Mas no momento não há e não faz nem parte de nossas alternativas discutidas, uma recuperação judicial, justamente porque é um processo absolutamente complicado. A companhia enxerga outras possibilidades, uma delas é a ajuda do BNDES, apesar de que não foi classificada como alternativa prioritária devido aos ajustes necessários na proposta como ela foi feita.”

Compartilhe nas redes sociais

Acesse o Fórum Contato Radar para mais informações sobre a aviação no Brasil e no mundo clicando aqui!

Deixe uma resposta