IATA prevê perdas de $84 bilhões no ano; 2021 não recupera

De acordo com relatório divulgado hoje pela IATA – Associação Internacional do Transporte Aéreo – a indústria aeronáutica e de transporte aéreo deve chegar ao fim do ano tendo perdido cerca de 84 bilhões de dólares.

Indústria de transporte cargueiro registra forte alta, mas não chega nem perto de compensar perdas em outras áreas

Todas as regiões abrangidas por associados tiveram perdas que chegam a até 50% em receita.

O relatório também prevê que 2021 não deve produzir condições necessárias para as empresas aéreas voltarem ao nível que obtiveram no ano anterior, quando ainda não tinham sido afetadas pela pandemia.

A organização ainda afirmou que o ano de 2020 fechará “como o pior de todos os tempos financeiramente para a indústria”.

Como previsto, os impactos foram de 52% a menos de demanda na América do Norte, com a capacidade sendo cortada em apenas 35%, gerando assentos ociosos, o que deve equivaler a uma receita de 23 bilhões de dólares a menos.

Na Europa, as perdas giram em torno de 21.5 bilhões (US$), bem próximo aos níveis da América do Norte. Já a oferta diminuiu 43%, um volume mais drástico.

Já na Ásia é onde o pior cenário ocorreu, a região chegou na casa dos 30 bilhões em prejuízo já que foi o epicentro da pandemia.

Aéreas Africanas perderam apenas 2 bilhões até agora, mas enquanto a crise sanitária continua na região, assim como na América do Sul, os números finais serão de difícil previsão.

A organização, que regula padrões e normas para empresas de transporte aéreo, ressaltou que uma segunda onda de propagação do vírus – cenário provável em determinadas regiões – pode afetar ainda mais estes números.

Mesmo o barril de petróleo tendo caído a preços ‘negativos’ este ano, o relatório prevê que segue em alta até atingir 52 dólares em 2021, bem menos do que o pico de 77$ atingido em 2019, ainda sim, isso não deve ser suficiente para que as empresas cheguem, se chegarem, ao fim do ano de 2021 com estabilidade parecida com a de antes da pandemia.

Compartilhe nas redes sociais

Acesse o Fórum Contato Radar para mais informações sobre a aviação no Brasil e no mundo clicando aqui!

Deixe uma resposta