Como é voar com a Azul durante a atual pandemia

Desde quando a pandemia começou, a aviação no mundo inteiro passou por uma reviravolta. A demanda no Brasil chegou a cair 95% e forçou as companhias aéreas nacionais a se readequarem ao momento atual.

A Azul ganhou um papel importante, realizando voos de cargas além de garantir uma malha aérea mínima para continuar operando. Em abril, a companhia ocupou o segundo lugar no market share doméstico. Marco inédito para a Azul.

Com sua frota versátil, permitiu que operasse em mercados específicos com a aeronave certa. Agora com a incorporação da TwoFlex, a Azul conta com a frota de Caravan para atender atuais rotas que não conseguem demandar um ATR 72-600 por exemplo.

Dessa maneira viajar de avião passou a ser para a maioria dos passageiros, uma necessidade em estar saindo de um ponto A para o ponto B. As reuniões de executivos estão sendo realizadas por aplicativos de videochamada; o turismo é praticamente inexistente até mesmo em cidades de praia e as viagens para visitar os parentes passaram a ser evitadas.

O Contato Radar foi convidado pela a Azul a voar no primeiro voo comercial do Airbus A320neo da companhia no aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro. Porém para chegar até Campinas (VCP) e embarcar no voo, saímos de Confins (CNF), que é o segundo hub da companhia em número de voos.

Por isso preparamos essa matéria especial para mostrar como está sendo voar durante a pandemia no Brasil e com a Azul.

AD2507 CNF – VCP
Aeronave:
Embraer E195-E2
Matrícula:
PR-PJN
Assento:
4A – Espaço Azul

O aeroporto de Confins (CNF) aparecia entre os cinco maiores do Brasil, perdendo apenas para São Paulo (Guarulhos e Congonhas) e Rio de Janeiro (Galeão e Santos Dumont) respectivamente, antes da pandemia. Durante os dez anos de existência da Azul, CNF ganhou um lugar de destaque na malha da companhia após a fusão com a TRIP, passando a ser o segundo maior aeroporto em número de voos.

Ao todo somente da Azul, eram operados cerca de 100 voos diários. Eram voos para diversas capitais, cidades no nordeste, interior de Minas Gerais além de três destinos internacionais: Buenos Aires (EZE); Fort Lauderdale (FLL) e Orlando (MCO).

Quando chegamos para embarcar, encontramos o aeroporto totalmente vazio, nem parecia ser uma segunda-feira. Lojas, restaurantes e lanchonetes fechadas. No saguão praticamente só existiam os passageiros e os poucos funcionários do aeroporto, responsáveis pela operação básica.

A entrada para a sala de embarque foi controlada na medida que as pessoas passavam pelo detector de metais (que só tem um em operação). A todo momento, os funcionários pediam para os passageiros ficarem em cima dos círculos amarelos que continham o desenho de pegadas, sinalizando a distância de segurança. A sinalização foi providenciada pela administradora do aeroporto, a BH Airport, porém é bastante discreta e quem estiver distraído pode não ver.

Na sala de embarque, poucos voos estavam sendo embarcados. Os passageiros em sua maioria mantinham distância um dos outros, principalmente nas cadeiras, evitando sentar um ao lado do outro.

Cerca de 40 minutos antes da nossa partida, foi realizado a chamada de embarque. Os agentes responsáveis, pediram para os clientes só se aproximarem do portão quando o seu respectivo grupo fosse chamado, começando pelas prioridades por lei e em seguida os clientes TudoAzul Diamante. Essa orientação é uma das recomendações da Agência de Vigilância Sanitária (ANVISA).

Apesar de estar no Espaço Azul, preferi aguardar e ver como as pessoas iriam comportar no momento do embarque. Somente quando foi anunciado as seções, os clientes formavam a fila, porém as outras seções aguardavam a chamada. O embarque é realizado através do chamado self boarding, aonde o cliente aproximava o cartão de embarque na leitora e mostrava o documento para o agente realizar a conferência. Na ponte de embarque, no chão tinham mais sinalizações para manter a distância segura.

O serviço de bordo foi reduzido, sendo oferecidas as opções de Torresminho e Bolinho nos snacks, e água mineral ou suco de laranja como bebidas. A Azul também disponibiliza álcool em gel dentro das aeronaves, que foi oferecido antes das comissárias entregarem o serviço de bordo.

A utilização de máscaras é obrigatória na Azul, e todos os funcionários de terra e de bordo também estavam utilizando. Apesar das aeronaves Embraer serem configuradas como 2-2, é seguro voar devido a utilização de filtros de ar no sistema de ar condicionado além do fluxo que o ar dentro da cabine se comporta. Falamos sobre isso anteriormente, e você pode clicar aqui para saber mais.

O desembarque também foi interessante de acompanhar. Após o pouso da aeronave, foi realizado um speech pelas comissárias, pedindo para todos os clientes aguardarem sentados até o desembarque chegar na sua respectiva fileira. Essa também foi uma das recomendações da ANVISA para as companhias aéreas. E foi assim realizado, algo impossível de imaginar em condições normais em todo o mundo, em que as pessoas se levantam imediatamente após a parada da aeronave.

Em nosso voo saindo de Campinas para Santos Dumont, perguntamos para a tripulação comercial liderada pelo comissário chefe Marcos Dias sobre como está sendo os cuidados na pandemia: “Estamos tendo o cuidado redobrado com a higienização. Sempre estamos disponibilizando o álcool em gel para os clientes passarem nas mãos. A cabine de passageiros é toda esterilizada pelo time de limpeza antes do embarque. A ANVISA também recomenda a realização de alguns speechs para manter a distância segura entre as pessoas no momento do desembarque, para evitar aglomerações.”

Por tanto, é seguro sim voar durante a pandemia tomando todos os cuidados possíveis. Sempre utilize máscara, lave bem as mãos e utilize álcool em gel. Aos poucos a aviação vai retornando e esperamos ver os aeroportos e aeronaves cheias novamente.

Compartilhe nas redes sociais

Acesse o Fórum Contato Radar para mais informações sobre a aviação no Brasil e no mundo clicando aqui!

2 thoughts on “Como é voar com a Azul durante a atual pandemia

Deixe uma resposta

error: Conteúdo protegido pelo Contato Radar!