Boeing reduz produção do 737 MAX e prejudica fornecedores

Não é nenhuma novidade os prejuízos causados pela atual pandemia em todos os setores, em especial, o setor aeronáutico, com fabricantes e principalmente companhias aéreas enfrentando graves dificuldades em suas operações.

A Spirit AeroSystems, empresa responsável pelo fornecimento de muitas partes das aeronaves 737, como fuselagem, componentes das asas, entre outras peças, solicitou apoio aos seus credores após a Boeing realizar um profundo corte na produção do 737 MAX. A fabricante americana já enfrenta diversos problemas por conta dos acidentes com o modelo e a interrupção da produção.

Continua após a publicidade

O número previsto inicialmente para produção no ano de 2020 eram de 216 conjuntos de peças de aeronaves, uma quantidade que foi reduzida para 125 anteriormente, porém, agora a Boeing reduziu esse número para apenas 72. Essa redução forçou a fornecedora Spirit AeroSystems cortar milhares de empregos e reduzir seu dividendo trimestral em 90%.

Entregas pendentes

Aeronaves Boeing 737 MAX aterradas são vistas estacionadas em uma foto aérea no Boeing Field, em Seattle. Foto: Reuters.

Os 737 MAX não operam desde março de 2019 em todo o mundo, após vitimarem quase 400 pessoas em dois acidentes num período de 5 meses, apesar da interrupção nas operações, a linha de montagem não foi interrompida, o que deixou diversas aeronaves aterradas e a espera para serem entregues. A recertificação do modelo ainda está em andamento.

Compartilhe nas redes sociais

Acesse o Fórum Contato Radar para mais informações sobre a aviação no Brasil e no mundo clicando aqui!

Deixe uma resposta