Qantas adia ‘Projeto Sunrise’

Depois de realizar vários voos teste entre Londres e Nova York para Sydney, como parte do inovador ‘Projeto Sunrise’, a Qantas anunciou hoje (05), diversos cortes de malha e reajustes financeiros como estratégia de enfrentamento da pandemia, implicando na suspensão indeterminada do início desse projeto, que já estava em fase avançada.

Inicialmente, a intenção da empresa australiana era de avaliar o comportamento do corpo humano em voos de longa duração, para verificar a viabilidade de estabelecer ligações diretas entre suas principais bases em Melbourne (MEL) e Sydney (SYD) com a Cidade do Cabo (CPT), Londres (LHR), Nova York (JFK), Paris (CDG) e Rio de Janeiro (GIG).

Com o impacto causado pela pandemia, e assim como as demais companhias aéreas no mundo, a Qantas viu sua demanda reduzir drasticamente, implicando em cortes de voos domésticos e internacionais. Segundo a empresa, hoje estão operando apenas 5% da sua malha doméstica e 1% da malha internacional, quando comparado com antes da pandemia.

A aeronave escolhida especialmente para realizar esses voos, o Airbus A350-1000 com algumas modificações, teve seu pedido de 12 unidades adiado para Dezembro de 2020, como reflexo da incerteza da empresa em lançar as rotas em um futuro próximo.

“Esperamos que a recuperação da demanda seja gradual e levará algum tempo até que a demanda total atinja os níveis pré-crise. Isso significa que precisamos pensar em como o Grupo Qantas deverá ser para ter sucesso. Todos os gastos com frota, malha e capital terão que ser revistos, mas nosso compromisso de servir comunidades em toda a Austrália não mudará”, disse Alan Joyce, CEO do Grupo Qantas.


Acesse o Fórum Contato Radar para mais informações sobre a aviação no Brasil e no mundo clicando aqui!

Deixe uma resposta

error: Conteúdo protegido pelo Contato Radar!