Aeronaves com menos de 150 assentos lideram pós-crise na aviação

Segundo a Embraer, estudo de empresa especializada Cirium revelou que a válvula de escape para a retomada das operações nas maiores cias aéreas tem sido aeronaves de pequeno a médio porte.

Enquanto a maioria dos países (Com excessão de Brasil e Estados Unidos) vêm reportando queda nos casos de morte e transmissão da pandemia, a demanda por transporte aéreo ainda anda cambaleando, mas já começa a reagir, enquanto as aéreas tem retomado serviço em cidades que tinham seus voos suspensos, porém com aeronaves menores.

A Cirium, empresa que analisa estatísticas profissionalmente para fins estratégicos na indústria de transporte aéreo, publicou recentemente artigo que mostra a participação de cada tipo de jato na retomada das operações em nível mundo:

  • Apenas 35% da frota comercial global esteve em uso durante as piores semanas da crise sanitária.
  • Já em 19 de Maio, 41% da frota comercial já estava voando.
  • A nível global, as aeronaves que mais tem voado são as de médio/pequeno porte: 70-150 assentos.

Estas aeronaves são capazes de realizar as missões com o alcance desejado sem deixar o ‘load factor’ despencar, o que aumentaria os custos do voo.

Eles fizeram um infográfico que engloba as operações na Europa e Ásia, onde a pandemia tem decaído.

small-capacity aircraft is more advantageous

Este é o caso das aeronaves que a Embraer oferece ao mercado, cada vez mais modernas, com a série E2.

Compartilhe nas redes sociais

Acesse o Fórum Contato Radar para mais informações sobre a aviação no Brasil e no mundo clicando aqui!

Deixe uma resposta