Crise na Air Italy

Hoje será realizada uma reunião especial de acionistas para decidir o destino da companhia devido dificuldades financeiras em que a mesma está passando, informa a mídia local. A empresa com sede em Milão (Itália) é de propriedade da AQA Holding, que por sua vez, pertence à Alisarda (51%) e Qatar Airways (49%).

Após um lançamento da marca repleto de alarde, em fevereiro de 2018, a Air Italy e a Qatar Airways tinham planos muito ambiciosos: uma frota de 50 aeronaves até 2022. 20 delas seriam aeronaves Boeing 737 MAX novíssimas, que deveriam ser entregues até 2021, como anunciado por um comunicado à imprensa que também indicava a mudança de Meridiana para a marca Air Italy. Muitos dos problemas da Air Italy decorrem da crise do Boeing 737 MAX – afinal, quase metade de sua frota até 2022 deveria ser da aeronave que até agora está em solo ao redor do mundo aguardando liberação dos órgãos regulatórios para voltara voar.

Continua após a publicidade

Atualmente, a empresa possui 12 aeronaves, sendo que três delas (25%) são os aviões 737 MAX. O CEO da Qatar Airways, Akbar Al Baker, afirmou que a companhia aérea visa ajudar a Air Italy a se tornar “uma alternativa sustentável de companhia aérea para o povo da Itália” e passageiros de todo o mundo, com a ambição e dedicação à experiência dos passageiros a bordo.

No entanto, a realidade logo surgiu: após um período de crescimento muito ambicioso, incluindo novos vôos para o Aeroporto Internacional de Nova Iorque (JFK) e o Aeroporto Internacional de Miami (MIA) quando a companhia aérea encerrou o último ano com uma perda de US$148,8 milhões. A Qatar Airways teve que absorver US$ 72 milhões das perdas da Air Italy, afirmaram as demonstrações financeiras consolidadas da companhia aérea.

Compartilhe nas redes sociais

Acesse o Fórum Contato Radar para mais informações sobre a aviação no Brasil e no mundo clicando aqui!

Deixe uma resposta