Flight Report: A experiência de voar o Embraer E195-E2 da Azul

Voamos na primeira operação do mais novo integrante da frota da Azul.

Continua após a publicidade

Um dia Azul em Campinas. Foi assim que começou nosso dia especial para voar na primeira operação com passageiros do Embraer E195-E2 no mundo. Para isso, a Azul convidou seus membros executivos, parceiros de viagens e a imprensa para participar deste momento único.

O voo AD9200 estava programado para decolar às 11h00min de Campinas (VCP) com destino à Brasília (BSB), com o E195-E2 matrícula PR-PJN. Com o check-in já realizado, eu e João estaríamos ocupando os assentos 13A e 14D, ambos em janelas. No caso do João, era a saída de emergência.

Nosso embarque estava programado para às 10h20 através do portão C06, que caminhando desde o raio-x, daria cerca de cinco minutos. No portão, já encontravam-se vários convidados do voo. Membros executivos incluindo o presidente da Azul, John Rodgerson e o presidente da Holding Azul S.A., José Mário Caprioli também estavam presentes e cumprimentando com boas-vindas todos os convidados.

John realizou o anúncio do embarque no microfone do portão agradecendo à todos que ajudaram este dia acontecer e que o dia seria de muita diversão para todo mundo. Depois, desceu no finger e ficou dando as boas-vindas para os passageiros na porta da aeronave.

O embarque começou por volta das 10h40min e foi bastante ágil, já que a maioria dos passageiros não tinham bagagens de mão, por tanto, com cerca de dez minutos todos já estavam a bordo da aeronave. As portas foram fechadas às 10h58min e o nosso pushback foi realizado às 11h04min. Neste momento, os gigantes Pratt & Whitney PW1900G começaram a iniciar a partida, com um barulho bem diferente dos General Eletric CF34 que compõem a versão do seu antecessor E1.

Em poucos minutos estávamos ingressando e correndo a pista 15 de Campinas. A decolagem já é possível observar que foi mais suave e silenciosa. Depois do sinal de atar cintos foi desligado, John Rodgerson falou na frente do avião sobre as grandes expectativas pelo novo avião e também agradecendo os investidores, incluindo José Mario Caprioli, que foi o fundador da TRIP. John também falou dos colaboradores da Azul, que são a peça fundamental do negócio da companhia, além de relembrar que 11 anos atrás estavam recebendo o primeiro Embraer E195, e que agora estão dando este importante passo com o E195-E2.

O clima durante o voo foi bastante descontraído a 27 mil pés de altitude entre todos os convidados. Algumas pessoas da imprensa aproveitaram o momento para poder conversar com executivos da companhia. O serviço de bordo também foi especial, que além de ter sido servido pelos comissários, o presidente John também ajudou na tarefa. Foi composto pelos tradicionais snacks da Azul: Batatinha Chips, Torresminho, Bolinho, Goiabinha e as famosas Balinhas de Avião. O entretenimento de bordo continha filmes, séries e músicas programadas, jogos, programação para crianças e também o mapa de voo, bem mais detalhado do que a versão utilizada no E1.

Nosso pouso estava previsto para 12h40min, e faltando vinte minutos antes já iniciamos a nossa descida para a pista 11R de Brasília, momento que a cabine de passageiros começou a ser preparada para o pouso. Às 12h38min estávamos em procedimento final de pouso, que diferentemente do seu antecessor, possui o sistema chamado trailing arm, que permite um toque mais suave na pista.

Após livramos a pista, encaminhamos para o terminal 1, que aguardava com os caminhões de bombeiros para o tradicional batismo de boas-vindas. O desembarque foi bastante rápido e logo estávamos na sala de embarque.

Almoço com o presidente e executivos

Após o desembarque foi oferecido um almoço para os jornalistas presentes no voo. Neste momento todos tiveram oportunidades para tirar várias dúvidas com os executivos sobre a Azul, como frota e destinos, mercado aéreo nacional e regional entre outros assuntos. Em um dos questionamentos, John Rodgerson falou sobre a chegada do Airbus A321neo e as rotas primeiras rotas do mesmo, noticiado na hora aqui pelo Ponte Aérea.

Outro questionamento foi a razão da necessidade de trasladar o Embraer E195-E2 de São José dos Campos (SJK) para fora do país e posteriormente para Confins (CNF). Segundo o presidente, caso este procedimento não for realizado, o avião ficaria cerca de 20% mais caro que seu preço inicial.

John Rodgerson também falou sobre as encomendas do Embraer E195-E2. Atualmente são 51 exemplares encomendados, porém existe opções de compra para mais 24, totalizando 75 E195-E2 para os próximos anos.

Apresentação do Embraer E195-E2 para o governo federal

Como parte da programação, a Azul apresentou o seu novo jato para representantes do governo federal, que estavam presentes os ministros Onyx Lorenzoni e Tarcísio Freitas. John Rodgerson entregou para ambos, um quepe de piloto representando que estavam comandando o país. O presidente agradeceu a parceria com o governo e nos investimentos em infraestrutura, que permite a ampliação dos voos da companhia.

Depois das falas, foram encaminhados para a frente do avião para realizar o batismo com champagne no nariz do avião e a respectiva apresentação para os convidados do governo.

Finalizada a apresentação, foi a hora de todos os convidados retornarem à Campinas, embarcando novamente no Embraer E195-E2. O voo assim como o trecho de ida, foi com clima alegre entre os passageiros, e teve uma duração de 01h15min.

Compartilhe nas redes sociais

Acesse o Fórum Contato Radar para mais informações sobre a aviação no Brasil e no mundo clicando aqui!

One thought on “Flight Report: A experiência de voar o Embraer E195-E2 da Azul

  1. Muitoe bom! Achei importantíssimo a iniciativa de valorizar a indústria brasileira,que não perde nada para outras empresas, já viajei pela azul indiscutívelmente tem o melhor serviço de bordo de todas pude comparar com a Latam e a gol. Sem dúvida hoje a Azul da banho nas concorrentes! Parabéns!

Deixe uma resposta